segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

As verdades e mentiras do casamento

Mesmo com todas as decepções que nós vemos em novelas, em filmes, lemos em livros, ou nos deparamos na vida real, todo mundo quer casar. Acreditam que essas coisas só acontecem na ficção ou com a vizinha, mas nunca com elas mesmas.

Eu digo que todo mundo quer casar, mas eu devo enfatizar o sonho-mor de várias mulheres. São poucas que não sonham em encontrar um príncipe encantado, em casar numa igreja enfeitada de flores do campo de cima a baixo, em entrar com um vestido branco — o mais caro que estiver disponível — na frente dos seus 300 convidados. Ai, ai! Que sonho, hein!

Tudo pode ser uma maravilha antes de casar, todas podem pensar que encontraram o príncipe encantado, então me desculpe por ser tão drástico: é mais fácil encontrar a localização de Nárnia ou de Terabítia, do que encontrar um Príncipe Encantado.

Todos os preparativos são maravilhosos. Os noivos ficam separados o dia inteiro para se encontrarem lindos um para o outro na hora da cerimônia. A mulher toda maquiada, com o cabelo milimetricamente penteado para encontrar com seu príncipe encantado noivo que te espera dentro de um terno impecável.
Que lindo!

E na cerimônia todos aqueles personagens típicos de casamentos: a daminha, a florista, o menininho que leva as alianças, o padre que não preferia estar ali, e todos aqueles parentes que você nunca viu, mas sua mãe te obrigou a convidar. Mas espere! A festa ainda não começou. Faltam as alianças.

As alianças. É um símbolo da fidelidade. Só da fidelidade, porque as alianças não são nada românticas. Ah! E qualquer semelhança com algemas é mera coincidência.

O padre termina seu trabalho em quinze minutos, mas não estamos liberados. Mais uma hora para tirar foto com a “parentaia”. Os padrinhos do casamento, os pais dos noivos, os irmãos, as tias, os sobrinhos, os animais de estimação, as vizinhas e mais quem estiver presente.

Agora, sim, chegou a festa e seus parentes do fim do mundo estão aí para comer de graça. Eh, que beleza!

A noite de núpcias. O sonho de todos; a hora mais esperada pelo casal. Depois, o café da manhã romântico, banhado de champagne. Ai… Uma semana num hotel na serra.

Depois, tudo volta para o mundo real.

A mulher logo vai descobrir que seu marido também tem bafo quando acorda, e o homem vai descobrir que sua mulher também acorda toda descabelada. Eu acho que é por isso que acontecem as brigas. A mulher pergunta por que ele demorou tanto no trabalho, mas na verdade ela pensa: “Você não era um príncipe encantado?”

Pois é, né. As coisas são como são. Devemos por os pés no chão e se casar se achar que isso só acontece na ficção ou com a vizinha. Mas, pelo menos, eu fiz a minha parte.

3 comentários:

Rô Cecim disse...

"é mais fácil encontrar a localização de Nárnia ou de Terabítia, do que encontrar um Príncipe Encantado" [gostei]
Mas, você não esta meio dramático? Sei la, parece que você tem algum trauma relacionado a casório. Eu acho que casamento vai além de uma cerimônia fútil, ou de um amanhecer descabelado. Minha opinião. Gostei de como você escreve.bjs

Jana Barreto disse...

eu acho que tudo isso varia muito de pessoa pra pessoas. Não conheço só mulheres que querem casar, homens também querem isso (alguns!)
e as alianças são românticas sim... devem ser sinal de amor, compromisso, comapnheirismo, o nome já diz tudo.
Também acho, como a colega de cima, que vai muito além da cerimônia "exagerada", fotografia, bafos e esposas descabeladas...
Enfim, como eu disse, varia de pessoa pra pessoa. Sua opinião me pareceu bem sincera. ^^
Boa sorte!

Sabrina Mix disse...

Oi, Lucas!

Também estou participando do Blorkutando. Adorei a abordagem que você deu ao tema.

Ah, posso te pedir um favorzinho? Tire essas letras de verificação nos seus comentários. É muito chato ter que ficar digitando isso toda vez que a gente vai comentar e não ajuda em nada na segurança. É balela!

Beijos e sucesso!!!

MEU BLOG: http://www.sabrinamix.com